14 de junho de 2011

"Eu"

Eu

Poderia ser Eufrásio,
Euleotério, Euzébio,
Ou ainda, Eugênio,
Mas sou simplesmente, “eu”.

Eu me alegro e sorrio.
Eu entristeço e choro.
Eu, no sofrimento, canto,
E seus efeitos espanto.

Eu escrevo e leio.
Eu trabalho e divirto.
Eu, na minha gande fé, rezo
E pelos meus eu prezo.

Eu, agrado e magoo.
Eu reconheço e me desculpo.
Eu, ainda, não setenta,
Mas sete vezes perdoo.

Eu acerto.
Eu erro.
Eu, não sou perfeito,
Mas, me acho bom sujeito.

Eu acredito e aconteço.
Eu, na oportunidade, apareço.
Eu não preciso de ter,
Eu, mais valorizo o ser!

Eu vim.
Eu vou.
Eu sei.
Eu sou.

Eu amo.
Eu, não odeio.
Eu agora confesso.
Sou, diariamente, progresso.

Eu, vivo e faço a história.
Eu morro e fica a memória.
A família é o maior patrimônio.
“Eu”, me chamo Antônio.


Antônio de Pádua Elias de Sousa
07/02/11