3 de julho de 2019

"Minha mãe"


MINHA MÃE

Cresci e precisei ir embora,
Criei família e de casa saí.
A saudade aperta o peito,
Lembrando dela agora.

Sempre estendeu-me a mão,
Se pedisse daria seu coração.
Na simplicidade de fé e esperança,
As vezes uma vela e oração de sua confiança.

Sem medir esforços, estava junto comigo,
Preocupada em afastar o perigo.
No seu jeito singelo e puro,
O meu grande porto seguro.

Em minhas conquistas,
Nunca escondeu sua emoção,
Esquecendo o cansaço,
Aquecia-me em seu abraço.

Ela sempre me ajudou,
Amor e carinho nunca faltou,
Dividindo com propriedade,
Aos irmãos com igualdade.

Com todo meu sentimento,
Hoje faço um agradecimento,
Pedindo ao Grande Pai,
Que abençoe a minha Mãe.



Antônio de Pádua Elias de Sousa
03/07/03

23 de maio de 2019

"VERDE"


Verde

Verde dos mais belos verdes,
a minha cor preferida,
ao admirar-vos, saberdes,
quanto encheis a minha vida.

Das matas e das florestas,
vos alegra sol e chuva,
as outras cores em festas,
que lhes caem como luva.

Nas hortas e plantações,
as demais vai sustentando,
alimentando as nações,
a fartura está gerando.

Sua cor nos enriquece,
verde é predileção,
juro-vos que se pudesse,
coloriria o coração.


21/05/2019

Antônio de Pádua Elias de Sousa
Formiga-MG


21 de fevereiro de 2019

"Sol"


Sol

Do nascimento ao poente,
sempre irradiando alegria,
a grande estrela atraente,
inesgotável, fonte de energia.

Fornecendo luz e temperatura,
que a belos dias, convida,
em luminosidade in natura,
requisitos necessários à vida.

Contagiando os ambientes,
nos seus efeitos de propagação,
sendo nutrição dos seres viventes,
da Divina criação.

Faço contos, crônicas, romances e ensaios,
mas poeticamente, lhe faço homenagens,
eu me embriago dos teus raios,
admirando as suas imagens.

Sou amante fiel da natureza,
fisgado, tal qual peixe em anzol,
contemplo toda sua beleza,
buscando um “lugar ao Sol”.


17/02/2019

Antônio de Pádua Elias de Sousa
Formiga-MG




1 de fevereiro de 2019

"Medo da morte?"


Medo da morte?


Ei você!
Sim, você mesmo.
Está com medo da morte?
Da sua própria, ou de quem amas?

Esquece!
Ela é a única certeza.
Também sendo inevitável...

Raramente envia seus sinais,
sendo em sua maioria, de repente.
Às vezes vem mansa,
noutras brutal e cruelmente.

Nunca vindo de véspera.
Mas, jamais retarda.
Tendo, portanto, sua hora marcada.
E acredite:
Ninguém tomará o lugar do outro!

“Então viva, como não se fosse morrer,
para não morrer, sem ter vivido" e,
se possível, deixes um legado,
para que, de vez em quando, sejas lembrado.

Sejas nobre.
Construas e conserve.
Aprendas, ensine e eduque.
Crie e cuide.
Abrace e beije.
Distribuas carinho e alegria.
Espalhe a esperança.
Converse, não grite.
Compreendas e não reclame.
Sorria, mas também chore.
Festejas e silencie.
Ajude e solicite-a.
Cante e dance.
Coma e beba.
Faça o que goste.
Trabalhe e descanse.
Realizes os sonhos.
Busque e acredite.
Valorize as conquistas.
Não deixes para amanhã, o hoje.
Ame, não odeie.
Perdoe e também o peça.
Entendas o sentimento da gratidão.
Reze e ore.
Tenhas fé...

E lembre-se:
Há muito tempo,
alguém a venceu por você
e lhe aguarda.

Assim:
Não tenhas medo da morte!

01/02/2018

Antônio de Pádua Elias de Sousa.
Formiga-MG

"Mineira ação"


Mineira ação

O que era bom e bem feito,
de repente, tudo sumiu,
em avalanche de rejeito,
pela lama, sucumbiu.

Minas, chora hoje, suas esposas, maridos,
Irmãos, filhos, mães e também pais.
Ultrajes em corações feridos,
em nossa linda, Gerais.

O Brasil inteiro se sensibilizou,
com as autoridades do descaso.
Até o mundo se mobilizou,
diante de pouco caso.

Repetida a crueldade,
por ganância e ambição,
acaba-se agora a impunidade,
veredito da mineira ação.

De um povo, ordeiro e acolhedor,
na labuta e muita lida,
damos sim, ao dinheiro, algum valor,
mas jamais, maior que a vida.

Cenas chocantes de resgates,
honras à corporação,
mesmo com todos seus desgastes,
sentimentos firmes de superação.

Aqui temos muitos legados,
de sabores, ética e moralidade,
fica então um dos recados,
para preservação e sustentabilidade.

É com muita dor no peito
e nos olhos a emoção,
nosso protesto de rejeito,
assinamos o veredito, da mineira ação.

29/01/201


Antônio de Pádua Elias de Sousa        
 Formiga-MG