22 de novembro de 2017

"Aquele velho!"

Aquele velho!


Aquele velho:
Sujeito rabugento, cara sem noção!

Aquele velho:
Se acha dono e sabedor de tudo e quer ter sempre razão!

Aquele velho:
Que cara chato, não respeita ninguém e ainda exige obediência!

Aquele velho:
Ocupa meu espaço, meu tempo, os meus desejos. Ah, meu Deus, haja paciência!

Aquele velho:
Sujeito insistente, impertinente, inconsequente, que minha vida atrasa!

Aquele velho:
Que saco! Já está fazendo “hora extra”, será que não se manca. Vaza!

Aquele velho:
Está caducando, já deveria ter parado há muito tempo e nem sabe o que quer!

Aquele velho:
Tinha é que está rezando, pedindo a paz, se penitenciando, pra quando a hora vier!

Aquele velho:
Insensato, tirano e mal educado!

Aquele velho:
Por que não está agora do meu lado?

Você velho, onde estará?

Você velho, não mais me ajudará?

Você velho, meu avô, meu pai, e agora?

Agora! Me olho no espelho...

Perdoe-me. Saudades, muitas saudades...

Agora! Sou eu, aquele velho!


22/11/2017

Antônio de Pádua Elias de Sousa

Formiga-MG

10 de outubro de 2017

"O que é arte?"

O que é arte?


Segundo a definição da Encyclopaedia Britannica, arte é aquilo que é criado deliberadamente pelo homem como uma expressão de habilidade ou da imaginação.
Arte (do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) pode ser entendida como a atividade humana ligada às manifestações de ordem estética ou comunicativa, realizada por meio de uma grande variedade de linguagens tais como: 
Ø  arquitetura, desenho, escultura, pintura, escrita  literária, música, dança, televisiva, teatro e cinema, em suas variadas combinações, elitizadas e/ou populares. 
O processo criativo se dá a partir da percepção, com o intuito de expressar emoções e ideias, objetivando um significado único e diferente para cada obra e de caráter subjetivo, ou seja, intrínseco e individual, buscando despertar o prazer e a apreciação coletiva.
Contudo, a arte não é uma ciência e sim uma manifestação estética de emoções, expressões e comunicabilidade e que requer:
Ø  Habilidade em qualquer atividade que se baseasse em regras definidas e que esteja sujeita a um aprendizado e desenvolvimento técnico de modo inteligente e de forma racional,
Ø  Busque a recordação da história e a preservação de tradições, para a educação moral, ética, cívica, religiosa e cultural, para a consagração e perpetuação de valores e ideologias socialmente relevantes,
Ø  E ainda tenha uma função social, contribuindo para o desenvolvimento das sociedades e da fraternidade humana.
Portanto, não se pode confundir "Liberdade de Expressão", com "Libertinagem" pois as mais variadas formas de artes necessitam e têm por obrigação respeitar, todo e qualquer limite de crença religiosa, da dignidade humana, e ainda os preceitos éticos, morais e de bom senso, para que estas não sejam banalizadas e ao mesmo tempo, possam ser criticadas como ofensivas.
Realmente é "proibido proibir", mas convenhamos, que os direitos de um termina, quando começam os de outros...
Logo, senhores artistas, antes de exporem suas manifestações, façam antes as suas próprias auto críticas, para não se depararem ao ridículo, à vulgaridade, banalizar o que é realmente arte, respeitar e não afrontar os valores da dignidade humana, com a finalidade à uma educação sábia, sadia e de qualidade.

10/10/2017

Antônio de Pádua Elias de Sousa
Formiga-MG


25 de agosto de 2017

"Verba volant, script manent"

“Verba volant, scripta manent”

Trata-se de um provérbio,
com origem em latim,
pronunciadas por algum sábio,
que traduzidas ficam assim:

“Palavras faladas voam,
mas permanecem as escritas”!
Sem a pretensão de que as minhas ecoam,
mas cuidando, para que sejam benditas.

Não tenho com elas, tal intimidade,
melhor me expresso ao escrever.
Devo registrá-las com humildade,
para no futuro, se alguém as quiser ler.

Com modéstia, faço meus versos
e celebridade não almejo,
apenas os quero emersos,
transmitindo amor e paz, é o desejo!

Então, que estas jamais se percam
e, se possível, tragam felicidade.
Para que não pereçam,
as deixo na academia da imortalidade.

  
25/08/2017
  
Antônio de Pádua Elias de Sousa
Formiga-MG