1 de junho de 2020

"Coração pirata"


Coração pirata


Ela diz ser o próprio mar
e realmente parece ter razão,
pois é bela e também imensidão,
onde eu gostaria de navegar.

Não necessito de mapa orientador,
sigo apenas o meu instinto,
mas o seu medo ainda sinto,
deste atrevido conquistador.

Várias pistas eu lhe dei,
mas continua arredia.
Já lhe fiz, mais de uma poesia,
e com carinho, a dediquei.

Não sei esperar por muitos anos,
sou sujeito impaciente,
buscar lhe a confiança é urgente,
pois tenho sonhos e alguns planos.

Sou aventureiro desbravador,
arriscar-me-ei neste mar
e o coração pirata lhe entregar,
para novamente viver o amor.


01/06/2020

Antônio de Pádua Elias de Sousa
Formiga-MG




4 de maio de 2020

"Vermelho batom"


Vermelho batom



Minha predileta cor,
já é conhecida,
"verde que te quero verde",
qual ainda têm cheiro de vida.

Particularmente, não gosto de uma,
sob qualquer tom,
mas me rendi à sua boca,
em vermelho batom.

Apenas a vi, nas redes sociais,
pois eu não a conheço.
Contudo, julguei linda demais,
e ser feliz, eu acho que mereço.

Na oportunidade primeira,
de encontrá-la, assim vejo,
não assuste-se com meu desejo,
desse vermelho, eu tentar tirar.

Que brilha, seduz e destaca
os belos lábios seus,
usando com carinho e respeito,
somente os lábios meus.

25/04/2020
Antônio de Pádua Elias de Sousa
Formiga-MG

23 de maio de 2019

"VERDE"


Verde

Verde dos mais belos verdes,
a minha cor preferida,
ao admirar-vos, saberdes,
quanto encheis a minha vida.

Das matas e das florestas,
vos alegra sol e chuva,
as outras cores em festas,
que lhes caem como luva.

Nas hortas e plantações,
as demais vai sustentando,
alimentando as nações,
a fartura está gerando.

Sua cor nos enriquece,
verde é predileção,
juro-vos que se pudesse,
coloriria o coração.


21/05/2019

Antônio de Pádua Elias de Sousa
Formiga-MG


21 de fevereiro de 2019

"Sol"


Sol

Do nascimento ao poente,
sempre irradiando alegria,
a grande estrela atraente,
inesgotável, fonte de energia.

Fornecendo luz e temperatura,
que a belos dias, convida,
em luminosidade in natura,
requisitos necessários à vida.

Contagiando os ambientes,
nos seus efeitos de propagação,
sendo nutrição dos seres viventes,
da Divina criação.

Faço contos, crônicas, romances e ensaios,
mas poeticamente, lhe faço homenagens,
eu me embriago dos teus raios,
admirando as suas imagens.

Sou amante fiel da natureza,
fisgado, tal qual peixe em anzol,
contemplo toda sua beleza,
buscando um “lugar ao Sol”.


17/02/2019

Antônio de Pádua Elias de Sousa
Formiga-MG




1 de fevereiro de 2019

"Medo da morte?"


Medo da morte?


Ei você!
Sim, você mesmo.
Está com medo da morte?
Da sua própria, ou de quem amas?

Esquece!
Ela é a única certeza.
Também sendo inevitável...

Raramente envia seus sinais,
sendo em sua maioria, de repente.
Às vezes vem mansa,
noutras brutal e cruelmente.

Nunca vindo de véspera.
Mas, jamais retarda.
Tendo, portanto, sua hora marcada.
E acredite:
Ninguém tomará o lugar do outro!

“Então viva, como não se fosse morrer,
para não morrer, sem ter vivido" e,
se possível, deixes um legado,
para que, de vez em quando, sejas lembrado.

Sejas nobre.
Construas e conserve.
Aprendas, ensine e eduque.
Crie e cuide.
Abrace e beije.
Distribuas carinho e alegria.
Espalhe a esperança.
Converse, não grite.
Compreendas e não reclame.
Sorria, mas também chore.
Festejas e silencie.
Ajude e solicite-a.
Cante e dance.
Coma e beba.
Faça o que goste.
Trabalhe e descanse.
Realizes os sonhos.
Busque e acredite.
Valorize as conquistas.
Não deixes para amanhã, o hoje.
Ame, não odeie.
Perdoe e também o peça.
Entendas o sentimento da gratidão.
Reze e ore.
Tenhas fé...

E lembre-se:
Há muito tempo,
alguém a venceu por você
e lhe aguarda.

Assim:
Não tenhas medo da morte!

01/02/2018

Antônio de Pádua Elias de Sousa.
Formiga-MG