14 de janeiro de 2013

"Ping pong"

Ping Pong


No retiro.
O tiro.
Um grito.
Outro alflito.

A bala,
Que abala
E cala
A senzala.

Um corte.
O chicote.
Açoite,
Na noite.

Pio de cracatua.
Um corpo na rua.
Reflexo da lua.
Na pele nua.

Destino cruel.
Oro ao céu.
Triste passeio?
Não creio!

1º ou 2º ato?
Fujam pro mato!
Saio e não corro,
Vou pro morro.

Grande tormento.
Vejo o lamento.
Alguém chora,
Outra vai embora.

Imagem de retina,
Aquela rotina.
Um maestro,
O sequestro.

O terror,
Caça a dor.
Muito fervor.
Cadê o amor?

Na mente,
A semente.
Da bala perdida,
Ceifando uma vida.

Possível mundança?
Pois é!
Resta esperança,
E a fé!

Era pra mim,
Aquele fim?
Ping-pong, querida,
O jogo da vida.

Amem!
Amém.

Antônio de Pádua Elias de Sousa
29/01/11